Zé Pelintra: conheça esta entidade espiritual

Zé Pelintra faz parte da Linhas dos Malandros e possui uma grande importância para a representação daqueles que se encontraram durante as suas vidas marginalizados pela sociedade, pois prova através de sua ação como Guia Espiritual que o falso conceito de malandro nada mais é do que um esteriótipo criado por aqueles que não possuem a visão dos verdadeiros desafios no caminho dos humildes.

Zé Pelintra é uma figura à parte e por isso precisamos abordá-lo separadamente em um artigo. Muitos desinformados o associam com imagens malignas e criaturas que fazem o mal, quando na verdade o seu espírito se desenvolveu tanto após o desencarne que eles voltaram a este plano como Guias para benefício dos que o procuram.

Zé Pelintra é muito adorado e respeitado como entidade espiritual de origem afro-brasileira. Ele enche o coração de todos com alegria e a boa malandragem. Admirado na Umbanda, é considerado como um espírito humilde, de bondade plena, patrono dos bares, rei da vida noturna, boêmio e apaixonado por jogos e disputas.

Zé Pelintra: conheça esta entidade espiritual 1

Ele é, por si, uma lição, pois evidencia que nem todos os desafortunados no sistema de um país representam alguma ameaça para a sociedade, e que devemos respeitar e dar valor aos que mesmo perante tanta dificuldade ainda pagam com um belo sorriso os mais julgadores olhares.

Para compreender melhor esse espírito solidário, devemos entender o conceito do que é marginal, e do que é estar à margem da sociedade.

Zé Pelintra, como um Malandro da Umbanda, é alguém que teve condições de vida sofrida e que foi negligenciado como ser humano – cenário no qual encontramos muitas pessoas em nosso país – mas que não guardou rancor em seu peito ao desencarnar. Ao contrário, mesmo após a morte ele ainda acreditava na salvação e a prova maior disso é o sorriso sempre presente em seu semblante, que lhe conferiu maior elevação espiritual pela força do entendimento e confiança no Divino.

Catimbó e Macumba Carioca

Antes de surgir na Umbanda, inclusive antes mesmo da Umbanda nascer, a personificação de Zé Pelintra já se apresentava no Catimbó (norte do país) e nas Macumbas Cariocas.

No Catimbó ele era entendido por meio dos mitos e lendas sobre sua suposta vida (suposta porque não há provas evidentes de que ele realmente tenha existido nesse plano) e nessa manifestação traz consigo um traje mais simples do que o visto na imagem popular em que ele usa terno e sapatos brancos e na cabeça carrega um chapéu Panamá. No Catimbó ou na Jurema Sagrada, Zé usa chapéu de palha e cachimbo de angico, é um homem forte, robusto e joga capoeira como ninguém.

Figura Internacional

Zé Pelintra é a representação do famoso malandro carioca e é uma figura até mesmo com fama internacional. Enquanto no Brasil as pessoas distorcem sua verdadeira imagem – com padrões religiosos que abominam sua importância cultural – o próprio Walt Disney se encantou com a figura do bom Malandro, criando um dos poucos personagens que representa nosso país internacionalmente: Zé Carioca.

Além do nome com total ligação às nomenclaturas dos Malandros, Zé Carioca aparece sempre com seu gingado, representando o andar de Zé Pelintra, além de todo seu modo de agir, falar e se vestir.

História de Zé Pelintra

A história mais aceita dessa entidade é que ele teria nascido no povoado de Bodocó, sertão pernambucano. E sua família precisou mudar para Recife devido a uma grande seca que devastou toda a região. Infelizmente, quando menos esperava, o menino José dos Anjos perdeu toda sua família, vítima de uma doença desconhecida. Sem ter para onde ir, se criou no rua no meio do porto, se sustentando como podia. Dormia em meio à malandragem e trabalhava como garoto de recados. Assim cresceu tendo a noite em suas mãos: amava os jogos e as mulheres.

Zé possuía grande habilidade com facas, ninguém tinha coragem de enfrentá-lo. Era temido até mesmo pela polícia. Na juventude, decidiu então mudar-se para o Rio de Janeiro e logo passa a ser conhecido nas áreas boêmias da cidade. O caboclo de sangue quente encontra-se em um cenário de transformação, onde os mais pobres começam a povoar pedaços das cidades em desenvolvimento, surgindo assim as favelas.

Exímio conhecedor de tratamentos com ervas (adquirido entre o povo nordestino), temido nas mesas de jogos e apostas e, principalmente, um grande galanteador, não se sabe ao certo como aconteceu o seu assassinato, mas pode-se afirmar que foi pelas costas.

As características de Zé Pelintra

Zé Pilintra na Umbanda é a única entidade que é aceita em dois rituais, totalmente opostos: na Linha da Esquerda (Linha regida por Exu), onde apresenta maior ligação e sintonia com as características humanas para entregar os aconselhamentos. Nela ele surge como um tipo de Exu junto com os demais Exus e Pombagiras. E surge também na Linha da Direita (ao lado da Luz, onde regem todos os outros Orixás) se apresentando com os Malandros em Giras específicas ou até mesmo nos rituais de Caboclos e Pretos Velhos.

Zé Pelintra aparece no Terreiro – assim como todo Malandro – para tirar energias negativas, expulsar ações malignas que são geradas pelo preconceito, trazer purificação para a alma dos que necessitam, cura para todos setores e abertura de caminhos para todo tipo de assunto.

Ele possui um linguajar simples e faz referências à vida como um jogo, pois em seus conselhos procura orientar-nos de que esse plano é uma fase e temos que simplesmente aprender a jogar. Todas as vitórias devem ser comemoradas e as derrotas são para fortalecimento e conhecimento para que não mais cometamos os mesmos erros.

Suas vestimentas são bem conhecidas e uma característica interessante é a de não usar preto. Dessa forma é representado sempre trajando ternos brancos, sapatos cromo, gravata vermelha e chapéu panamá de fita vermelha, sendo que muitas vezes também aparece de bengala. Uma das suas principais características é a elegância, molejo e simpatia.

Dia de Zé Pelintra

Dia 28 de outubro é comemorado em sua homenagem, porém os dias da semana variam bastante por conta das Linhas diferentes em que atua. Os que estão a trabalho de quebra de demanda possuem a terça-feira como principal dia; já os que surgem para a cura, o sábado é o melhor.

Cores de Zé Pilintra

As suas principais cores são vermelho e branco, lembrando que ele nunca o preto.

Inspirações em frases

“Às vezes a maior sabedoria é parecer não saber nada.”

“Moço, se a vida tá te batendo tanto é porque tu aguenta; é porque tu é forte”

“Moça, ter proteção não quer dizer necessariamente que tudo sempre vai dar certo. Ter proteção quer dizer que mesmo quando tudo dá errado, acaba bem.”

“O plantio é livre, mas a colheita é obrigatória.”

“Escolho bem os meus inimigos, pois não dou a qualquer um a honra de me enfrentar.”

“Você pode até não ter dinheiro, mas se te invejam é por que você tem valor!”

Saudação a Zé Pelintra

Salve Seu Zé Pelintra! Salve os Malandros! Salve a Malandragem!


Aprenda com Zé Pilintra que nada importa o que os outros acham: nós somos responsáveis por nossa felicidade e a real missão nesse mundo é descobrirmos os melhores caminhos para alcançá-la, pois não há no mundo o que pague o valor da felicidade.