Trabalhadores das Almas: todo dia é dia de trabalhar

Trabalhadores das almas é um título apropriado. Afinal, é bem isso que nossos Guias espirituais de Umbanda fazem: trabalham por nós.

O texto abaixo produzido por Marcelo Moreno, criador do canal Magia do Axé, isso é reverenciado.

Acompanhe!

Você sabe como um espírito é convidado a ser uma entidade?

As pessoas imaginam que entidades populares como Maria Padilha, Maria Mulambo, Pai João, Vovó Maria conga, Mariazinha e Jurema são um único espírito que trabalha para todos. E não, não é bem assim.

Imaginem os nomes que conhecemos como títulos. As falanges como patentes. E os espíritos que trabalham nelas como soldados. Estes são os trabalhadores das almas.

Quando um espírito desencarna, e no astral tem afinidade com alguma energia, além de ter alguma atribuição espiritual pode ser convidado a fazer parte de uma falange.

Trabalhadores das Almas: todo dia é dia de trabalhar 1

Diferente dos mitos populares, sua vida terrena não tem NADA A VER com qual Linha poderá trabalhar.

Criou-se a ideia de que ex-bandido ou ex-bandida virará Exu e Pombagira respectivamente. Se for jovem, Exu-Mirim. Ex-escravo e ex-escrava se tornarão Preto Velho e Preta Velha no astral. Nesta lógica, índios e índias virariam Caboclos e Caboclas e Crianças mortas precocemente virariam Erês. NÃO! Nada disso!

Cada falange tem sua área de atuação no astral e auxilia o encarnado de uma maneira.

Mas não quer dizer que elas não interajam. De maneira alguma! Todos eles estão interligados, tais quais a natureza.

Por isso é tão importante pesquisar, estudar e conversar com os médiuns mais experientes. O conhecimento traz sabedoria e não ocupa lugar!

Vamos louvar sempre os trabalhadores das almas!

Vamos louvar os trabalhadores do astral! Eles estão sempre próximos, sempre prontos para nos ajudarem.