Arte afro-brasileira ganha 31 exposições virtuais no Google Arts & Culture

A arte afro-brasileira sempre mereceu destaque em todas as suas fases. Agora, a Google Arts & Culture, em razão do mês da consciência negra no Brasil, lança em parceria com 15 instituições culturais brasileiras o projeto “Consciências Negras”, seção inédita na plataforma.

Ao todo, a iniciativa reúne 31 exposições, 13 delas inéditas, como a coleção de 600 obras digitalizadas do Museu de Arte da Bahia, retratadas pela primeira vez em alta-resolução, e a mostra com detalhes da história por trás dessa celebração.

Há também uma área dedicada às expressões artísticas e culturais do Porto do Rio – principal porto do tráfico de escravos das Américas, e que hoje é um local de intercâmbio e convivência entre e cultura.

O projeto evidencia a arte afro-brasileira também com destaque para as histórias do Museu Nacional de Belas Artes com a mostra “Nas brechas das representações”, as fotografias de costumes brasileiros sobre Christiano Junior, pertencente ao Museu Histórico Nacional, as correspondências e as declarações que atestam a dedicação de Cândido Portinari em privilegiar vozes marginalizadas e figuras afro-brasileiras, destacadas pela Fundação Cândido Portinari.

Há ainda obras da Pinacoteca de São Paulo, Museu da Pessoa, CCBB de Belo Horizonte, Instituto Moreira Salles, Museu Nacional, Museu de Arte Moderna Rio, Museu Oscar Niemeyer, entre outras instituições.

“Celebramos o mês da consciência negra lançando uma nova seção dedicada à história e às lutas e conquistas da população negra do Brasil. Graças às 15 instituições culturais parceiras que aderiram ao projeto, qualquer pessoa, em qualquer lugar, pode aprender mais sobre as raízes da cultura afro-brasileira”, afirma Luisella Mazza, diretora de operações globais do Google Arts & Culture.

Arte afro-brasileira também destaca jovens

A nova área do Google Arts & Culture conta também com uma iniciativa inédita em parceria com o Museu Afro Brasil, e que traz quatro jovens artistas brasileiros para retratar histórias de protagonismo negro pouco conhecidas e que contribuíram para a formação do país.

Com obras emblemáticas que revisitam e dão voz a narrativas marginalizadas, os trabalhos de Heloisa Hariadne, Pegge, Robinho Santana e Jess Vieira farão parte da página do Museu Afro Brasil na plataforma.

Em tempos de distanciamento social, a iniciativa inédita do Google Arts & Culture é uma mostra de que é possível manter a arte afro-brasileira e demais temas ligados à consciência negra em evidência, não apenas no mês de novembro como em todo o ano.

Fonte
B9
Imagens
Divulgação