Salgueiro Chorão – Dia 41 – Erveirança 5.0

Salgueiro Chorão é nome da nossa 41ª erva desta Erveirança que, infelizmente, está caminhando para o fim…

São 50 ervas em 50 diasl! Como já disse algumas vezes durante esta jornada, o conhecimento liberta!

Então sugiro que você abra seu coração e conheça as características das ervas que trago aqui antes de julgá-las por lendas e crendices. E continue acompanhando, porque a Erveirança 5.0 termina com uma LIVE embaixo da minha amada Jurema para comemorar o meu aniversário!

Dia 41 – Erva 41

Chorão ou Salgueiro Chorão – Salix babylonicus

Salgueiro Chorão é essa árvore é a cara da magia! Sua visão encanta e assusta, e assim é a magia. Ao mesmo tempo que causa encantamento e atração para alguns de nós, causa repulsa, medo e rejeição para outros.

Quantos Chorões já não foram cortados de quintais ou de calçadas por puro preconceito? Isso mesmo, chamada de árvore de mau-agouro, árvore de cemitério e mesmo árvore de morto, o Salgueiro Chorão tem esse nome pois seus galhos flexíveis descem até o chão formando assim uma copa com aparência de “tristeza ou melancolia”.

Assim como dias nublados e cinzentos convidam algumas pessoas à tristeza, a simples visão dessa incrível árvore, injustiçada pela falta de conhecimento principalmente aqui nas Américas, ao provocar esse sentimento, gera nesses seres humanos uma repulsa capaz de aniquilá-las.

Os olhos captam aquilo que já está na alma. Para mim, de coração, dias cinzentos e nublados são dias tão lindos quanto os ensolarados. Cada um tem seu charme, seu valor e remete a um estado de espírito que já está em nós, e ao não repudiarmos esse estado de possível melancolia, podemos lidar com ele com mais facilidade, transformando-o em um lindo dia!

Este é o nosso Salgueiro-Chorão!

Varinhas mágicas feitas com seus galhos mais rígidos já foram cogitadas como poderosos elementos de magia. Seus galhos flexíveis já formaram coroas e colares iniciatórios; trançados, já formaram laços tríplices usados em diversos rituais e sua casca já inspirou a criação do analgésico mais famoso do mundo (Aspirina – Salix alba). Já foi morada de seres da natureza mítica como fadas e duendes e já abrigou nas suas copas bruxas em fuga dos inquisidores.

Suas folhas com dorso prateado a colocam na reputação das ervas mágicas menos conhecidas e mais encantadoras. Cresce nas margens de rios e lamaçais, e é abundante em cemitérios o que ajuda na sua fama.

Lendas e contos à parte, para nós o Chorão é uma poderosa erva QUENTE ou AGRESSIVA, com características de limpeza profunda e muita, mas muita proteção mesmo!

Como já dissemos, para uma erva ser considerada QUENTE ou AGRESSIVA deve preencher certos requisitos, e o Chorão faz isso com excelência. Mas dificultou nossos trabalhos de identificação, pois tem também certas qualidades que não são tão comuns para as suas companheiras de categoria: capacidade de criar campos de proteção “irradiadores” de fluxos de energia.

Essa função normalmente ocorre com as MORNAS, mas enfim, ele á a própria magia, não é? Então para o Salgueiro-Chorão tudo é possível!

Suas cores energéticas fluem em tons que vão do verde-azulado até o verde-escuro, com pulsos intermediários de prata e lilás. Se conecta com as vibrações de Pais Oxóssi e Oxumaré, mas é uma curadora com nuances de Mãe Nanã, além de carregar a força atemporal de Mãe Logunan, com requintes de Pai Obaluayê.

Usada em banhos, isoladamente ou junto com outras ervas, forma um composto de limpeza e eventual equilíbrio (veja o texto complementar 3).

Por sua força atemporal e cristalina, assim como o Eucalipto, proporciona libertação que leva ao perdão e gratidão, fazendo soltar e compreender as amarras do passado. É uma decantadora por definição, por isso ajuda a deixar para trás (libertação de novo!), aquilo que já não tem mais serventia ou que não pode mais estar aqui.

Eu gosto muito de usar o Chorão para trabalhos de desobsessão mais intrincados, em que a defumação com as suas folhas secas, associadas com Casca-de-Alho, Eucalipto ou Cipó-Cruz, formam uma ferramenta bastante efetiva.

E não se esqueça, as conexões que faço aqui com os Pais e Mães Orixás fazem parte da minha opção religiosa que é a Umbanda, dentro dessa visão trazida pelo incrível trabalho do Mestre Rubens Saraceni, o qual honramos a memória.

Se sua convicção religiosa for outra, ou mesmo se seu modo de ver a Umbanda for diferente, não tem problema, basta associar as ervas e as vibrações que cito à sua forma de ver o mundo.

As ervas e as inteligências da natureza que as sustentam não se importam com as formas, mas sim com o conteúdo.

Que todas as magias sejam em nós, principalmente as simples!

Gratidão e transformação!