Práticas com Ervas – Texto complementar III

Práticas com ervas é o terceiro texto complementar desta Erveirança 5.0.

Chegamos a quarenta dias e quarenta ervas! Então vamos aproveitar essa reta final para resumir o que fizemos até aqui de uma forma bem simples, observando como podemos nos servir do que já temos.

Vejo tantas pessoas pedindo novas informações sem ao menos ter usado um pouquinho do que já tem, fazendo assim com que o conhecimento fique sub-utilizado.

No Texto complementar I falamos sobre a Classificação das Ervas e como fazer os nossos próprios preparos de sete ervas.

No Texto complementar II falamos das Ativações, sobre como colocar um preparo para funcionar além das intenções.

Agora, neste Texto complementar III que você está lendo, vamos dar um exemplo de Práticas com Ervas, de como podemos usar as ervas que anotamos até aqui, na prática, dentro do nosso sistema de classificação e, em três dias dedicados a cada um dos campos de ação propostos: um dia de limpeza, um dia de equilíbrio e um dia específico que você poderá escolher o tema. Vamos lá!

Práticas com Ervas: rituais para todos os dias independente de religião

É muito comum nós acharmos que precisamos de uma energia específica, por exemplo de prosperidade, e na ansiedade de resolver logo o problema (a suposta falta da energia), usamos rituais, rezas, banhos, defumações, simpatias, enfim uma gama de opções para, assim, atingirmos nossa expectativa e resolvê-lo.

No entanto, é comum, após tudo isso, o resultado ser bastante aquém do esperado. E por que isso acontece?

Primeiro vamos pensar no merecimento. Nem tudo o que fazemos com intenção direta é prontamente atendido por questões que nem sempre temos consciência ou condição de definir. O merecimento está ligado às nossas opções pessoais, espirituais mesmo, aquelas que escolhemos antes de encarnarmos, e também dos recursos que a Lei Divina nos faculta para cumprirmos nossa tarefa no meio humano material.

É difícil de entender, não é? Mas se a Lei Divina, a Lei de Causa e Efeito, entender que naquele momento a tão desejada prosperidade não trará a experiência necessária à nossa evolução, esqueça. As coisas não são exatamente como nós queremos, na hora e forma como queremos.

Isso não quer dizer que temos que nos conformar e dizer “é assim mesmo”. Podemos sim mudar nosso destino, ou o chamado carma, mudando nosso comportamento diante da vida.

Lembremos a máxima:

“Se você quer um resultado que nunca teve, terá que fazer coisas que nunca fez.”

E isso inclui transformar comportamentos viciados.

A segunda opção é que normalmente estamos impermeáveis à energia específica. Muitas vezes nosso campo astral está tão apinhado de formações astrais, acúmulos energéticos que se criam à nossa volta, que uma verdadeira casca densa torna nosso espírito impermeável, isolado e impossibilitado de receber qualquer tipo de energia específica, como a que citamos, de prosperidade.

Aí precisaremos de uma prática com ervas que seja um verdadeiro tratamento de choque, algo que vai diluir esse cascão e permitir que a energia específica possa ser aplicada. Esse é o processo de limpeza, onde usamos as ervas QUENTES ou AGRESSIVAS.

É necessário também um processo de regeneração, que entendemos como o equilíbrio necessário para receber a vibração específica. É, na prática, fortalecer o espírito para que ele possa aproveitar com plenitude a energia que lhe será proporcionada. Então usamos as MORNAS ou EQUILIBRADORAS.

Até aqui temos o processo natural de limpeza e equilíbrio. Poderíamos parar por aqui, mas se tiver disponibilidade e quiser continuar…

Podemos então administrar o específico, nos servindo das ervas FRIAS ou ESPECÍFICAS, que assim, nossos espíritos estarão aptos para recebê-lo e aproveitar seus benefícios.

Vamos aos exemplos práticos, cada um em um dia (que podem ser alternados), no horário que ficar mais adequado para você e lembre-se: liberdade com responsabilidade.

Ritual de limpeza e energização com ervas

1º dia – Limpeza profunda

Esse primeiro dia é bastante importante, se achar necessário poderá ser repetido até no máximo três vezes. Use a razão!

Usamos as ervas sempre em número ímpar, por entender que são desagregadoras. Três, cinco, sete, nove, etc. Não precisamos exagerar. Normalmente três ervas são suficientes para uma boa limpeza. Sete são usadas para limpeza bastante complexas, de preferência sob orientação espiritual. Use o bom senso e dentro dos exemplos que darei a seguir, escolha o número de ervas necessário para a limpeza profunda:

Arruda, Guiné, Quebra-Demanda, Espadas de São Jorge e Santa Bárbara, Pinhão Roxo, Casca de Alho, Casca de Cebola, Fumo (de corda ou folha), Erva de Bicho, Aroeira e Dandá.

Defumamos nossa casa, as pessoas que moram nela, preparamos os banhos e além de tomá-los, também banhamos nossa casa. Passamos no chão, nos batentes de portas e janelas com um pano limpo. Os resíduos devem ser jogados fora de casa. Devolvidos a terra, ou a um rio. Lembre-se das rezas de ativação para esse processo.

Podemos começar esse primeiro dia de limpeza profunda em qualquer dia da semana. Às vezes, ficamos presos aos rituais de dias da semana, fases da lua e outros dogmas e esquecemos que não há dia para pegarmos uma gripe, por exemplo. Todos os dias são consagrados a Deus, nosso amado Pai Criador e não há momento específico para amá-Lo.

Da mesma forma que não há porque esperar mais um dia para fazer um banho ou defumação de limpeza, por não estar no dia certo. Faça e acredite!

Se você acredita ser a segunda-feira um bom dia, faça. Se acredita ser a terça-feira, a quarta-feira, enfim qualquer que seja o dia da semana, pode ter certeza que as ervas responderão.

2º dia – Equilíbrio e energização

Não menos importante que o passo anterior de práticas com ervas, esse processo visa, como o nome diz, equilibrar o ambiente, ou a pessoa para que assim, energizado e estável, possa receber a energia específica.

As ervas para esse processo podem ser usadas em número ímpar ou par, sem distinção. Também podem ser usadas sem a preocupação de se tornarem um elemento agressivo, como as anteriores.

Há uma característica bastante interessante, as ervas mornas ou equilibradoras podem ser usadas sozinhas, como elementos de “manutenção energética”, no dia a dia mesmo, ainda que não seja feito todo o ritual.

Podemos aqui citar:

Manjericão, Boldo, Alecrim, Alfazema, Hortelã, Calêndula, Abre caminho, Samambaias e todas as flores de pétalas claras.

Uma característica interessante dessas práticas com ervas é que elas são em banhos, verdadeiros repositórios energéticos em caso de uso exagerado das ervas quentes ou agressivas. A simples presença de uma dessas ervas num preparo com as agressivas faz com que seu campo astral se estabilize.

A Sálvia (aguarde texto completo sobre ela), por exemplo, pode ser usada para defumação sozinha. Coloque-a num recipiente refratário e coloque fogo diretamente na erva seca. Assopre ou abane e veja como rapidamente você terá uma defumação com apenas uma erva, e não menos eficiente por isso.

Não esqueça das rezas apropriadas para o preparo e as determinações que direcionarão a ação da erva.

3º dia – Específico

Agora sim você estará preparado para o ritual especifico de práticas com ervas. Limpo e equilibrado, seu campo astral estará preparado para receber a energia específica, para aquilo que inicialmente você acreditava que era o seu único objetivo.

É claro que até aqui, com certeza se sentirá bem melhor. Levando em consideração que muitos problemas que enfrentamos são causados por vibrações negativas que desconhecemos e que nos atrapalham sem percebermos.

Somente a limpeza já trará um alívio bastante importante, pois o espírito liberto pode pensar e agir melhor, assim tomando as melhores decisões.

Algumas ervas usadas especificamente:

Prosperidade: Louro, Café, Abre-Caminho, Samambaias Estímulo: Rosas, Mentas, Boldo, Calêndula, Pitanga Saúde: Santa Maria (Mentruz), Assa Peixe, Losna, Manjericão Tranquilidade: Capim Limão, Alecrim, Macela Fortalecimento da mediunidade: Rosa Branca, Anis Estrelado, Folha da Costa

Nesse resumo citamos algumas ervas dentro das três categorias. Sirva-se dos elementos descritos nas publicações anteriores e permita-se à criatividade com responsabilidade e coerência.

Cabe a você, estudar, pesquisar e escolher dentro das regras do amor e bom senso, quais são essas ervas.

Temos nesse exemplos um universo de possibilidades. Garanto que com esse pequeno número de ervas aqui citadas, teremos trabalho por um longo tempo.

Defesa ou manutenção energética diária

Podemos unir as práticas com ervas usadas para limpeza pesada e as usadas para equilíbrio e energização em um único preparo, banho ou defumação. Esse processo é muito conhecido como banho ou defumação de Defesa.

Mais uma vez, use sua criatividade baseado nas regras de amor e bom senso e sirva-se do conhecimento. Não deixe que apenas as facilidades dos preparos prontos sejam suas práticas. Há bons preparos prontos no mercado, mas faça os seus próprios e verá a força ativa que terá em suas mãos.

As ervas equilibradoras podem e devem ser usadas no dia a dia, para limpeza leve e manutenção dos corpos astrais. São excelentes limpadores leves e energizadores de uso geral.

Leia, releia e leia novamente!

Gratidão imensa e sempre!