Peregun Roxo – Dia 15 – Erveirança 5.0

Peregun Roxo é a nossa 15ª erva. Espero que vocês estejam aproveitando esta Erveirança tanto quanto eu estou! Vamos juntos!

Dia 15 – Erva 15

Peregun Roxo – Dracena Roxa – Cordyline terminalis (L.) Kunth.

Há de se sentir a erva, perceber o que ela quer dizer, qual sentimento está irradiando. Para isso, por instantes deve-se deixar de ser humano e participar do universo da planta como ela é, entender seu psiquismo naturalmente subjetivo.

As plantas se comunicam conosco. Na década de 1960, o chamado efeito Bakster foi discernido no livro “A Vida Secreta das Plantas”, explicando como elas “reagem” aos nossos estímulos e até às intenções de cortá-las, queimá-las ou nos servirmos delas para o bem.

Os antigos sabiam dessas coisas de modo também subjetivo, ou seja, não tinham conhecimento técnico de como essas coisas funcionavam, mas sabiam que funcionavam, e sabiam como colocar em funcionamento, o que é mais importante ainda.

Da ancestralidade africana herdamos um infinito de saber, mas se podemos absorver apenas uma ínfima parte disso, levando em consideração que o conhecimento nessa cultura é privilégio dos iniciados nos seus ritos religiosos, já é bastante para nos beneficiarmos com seus feitos sobrenaturais.

Para muita gente esse misticismo revela ignorância e falta de conhecimento. Para quem o vive, revela um universo de sabedoria que não está ao alcance dos olhos acostumados com os grande volumes dos livros científicos.

Nossa erva de hoje é o Peregun Roxo, especificamente desta cor, chamado também de Dracena Roxa. Sobre os outros tipos de Peregun, o verde, verde-amarelo e verde-branco, falaremos em outra oportunidade.

Seu nome vem da cultura africana e há algumas traduções simbólicas para seu nome, entre elas: “aquela que chama os espíritos”. Para mim, de uma forma bem simples adaptando os diversos fonemas e seus significados: a que chama o movimento ou o movimento atrator.

Não sou e nem pretendo ser versado em línguas e traduções, simplesmente me sirvo dos nomes usados nas tradições e que continuam a nos servir na prática ritualística, portanto vamos ao que interessa, o que essa poderosíssima erva pode fazer por nós!

Há dezenas de tipos de Dracenas ou Pereguns, uma planta de grande interesse paisagístico, e essa variedade “roxa” não é tão usada (ou pelo menos falada) nos cultos de matriz africana, mas é de um poder e grandeza inigualáveis no tocante a desinfecção de ambientes, onde as ações negativas tornaram o astral tóxico ao espírito.

Usar as folhas, destacadas e espalhadas pelo chão, enquanto se defuma o ambiente com uma boa combinação de ervas quentes o torna um poderoso fechador e anulador de portais negativos abertos por ações religiosas (antigos portais de magia), indicado para casas antigas onde funcionavam terreiros, ou locais onde se praticavam sacrifícios animais, etc. Essas folhas são recolhidas após oito horas no mínimo e despachadas na terra, numa mata ou jardim, fora de casa.

Pode ser usada também sob a sola dos pés para descarga de energias densas, ou para pessoas impossibilitadas de tomar banho (acamadas por exemplo).

Em banhos, é um poderoso limpador purificador de energias mórbidas e doentias. Em vasos plantados e consagrados às Divindades e suas Forças Naturais, é um excelente protetor para o ambiente, filtro esgotador de energias enfermiças.

Seu padrão energético que vai do amarelo intenso ao roxo profundo, passando vários tons de violeta, permite que seja associada às vibrações de Mães Obá e Iansã, Pais Omulu e Obaluayê.

Eu comecei esse texto falando sobre a comunicação das plantas… pois é, hoje no nosso roteiro teríamos outra erva, mas o Peregun Roxo me comunicou que fazia questão de ser ele hoje, e não amanhã ou depois… Manda quem pode, obedece quem escuta.Gratidão aos seres da natureza vegetal, e seu interesse pelo nosso bem comum!

Muito, muito, muito obrigado! Gratidão imensa!