Barco de Iemanjá não terá apoio da prefeitura do Rio de Janeiro

Publicidadeanuncio

Barco de Iemanjá é uma tradicional procissão feita anualmente em homenagem à Orixá dos mares.

Conforme anunciado pela coluna do jornalista Ancelmo Gois, pela primeira vez em 13 edições, a prefeitura do Rio decidiu não apoiar o evento.

O evento, que ocorre em Copacabana, Zona Sul, é organizado pela Congregação Espírita Umbandista do Brasil (Ceub).

Porém, sem o suporte da prefeitura, está ameaçado de não acontecer.

Assim, a Ceub resolveu promover uma vaquinha virtual na esperança de manter o cortejo, a ser realizado em 16 de dezembro.

Fátima Damas, presidente da Ceub, conta que entrou em contato com a Riotur em outubro deste ano e que foi solicitado que ela aguardasse até novembro.
Mas no dia 23/11 foi informada que o apoio financeiro não aconteceria devido “à falta de recursos financeiros”.

— É muito triste passar por essa situação depois de tantos anos.
Estou meio perdida, pois ficará difícil manter a procissão desse jeito.
A Umbanda não é só religião, é muito mais.
Infelizmente nem todas as pessoas enxergam isso, inclusive o prefeito Crivella.

As cerimônias em homenagem a Iemanjá, declaradas como patrimônio cultural carioca e inseridas no calendário oficial de eventos da cidade, expõem o sincretismo religioso como uma forma de expressão da cultura brasileira.

Geralmente realizada no último fim de semana de dezembro, dessa vez a atividade foi adiantada por causa das festas de fim de ano.
A congregação explica que o Barco de Iemanjá agrega cidadãos de diferentes identidades religiosas e promove uma ação efetiva contra à intolerância religiosa.

LEIA TAMBÉM  Diálogo com um Executor • Rubens Saraceni

Fátima conta que o apoio recebido para o cortejo variava entre R$ 30 e R$ 40 mil.
E que este dinheiro sempre foi utilizado para o aluguel dos ônibus que buscam as pessoas nos Terreiros, das Tendas e dos geradores.
Além disso, serve para compra das flores e frutas que são distribuídas às pessoas no dia do evento.

Até o momento, pouco mais de R$ 4 mil foram arrecadados com a vaquinha, bem abaixo do necessário.

— Para manter todas as ações realizadas no dia do evento, preciso de, no mínimo, R$ 20 mil.
Com essa quantia, nós reduziríamos a quantidade, mas sem deixar de promover a festa.
Mas sem verba nenhuma fica praticamente impossível.
A procissão tem quase 40 balaios de flores, é linda.
As pessoas contam com esse dia, vem gente de todos os lugares.
Estão todos indignados com a realidade do Rio.

Segundo a Riotur, em função da crise financeira que atinge a cidade, as verbas estão sendo priorizadas para as áreas de Saúde e Educação.

Em relação aos eventos, a instituição destaca que os maiores esforços estão sendo destinados ao Réveillon e ao Carnaval.

Sobre os demais, a Riotur segue em negociação em busca de soluções para a viabilização, incluindo o Barco de Iemanjá.

Líderes religiosos lamentam decisão

O babalaô Ivanir dos Santos destaca que essa decisão é um ato claro de discriminação.
E que não muito diferente, segundo ele, do que a prefeitura vem fazendo com o Carnaval, outra festa que envolve a identidade afro-brasileira e remete a lembranças religiosas.

LEIA TAMBÉM  Cabocla Jurema - Maria Bethânia - Cia Vocal Enrico Nery

— É inegável que há uma segregação cultural.
Segundo a concepção da Igreja Universal, a qual Marcelo Crivella é membro, há uma demonização das religiões africanas — diz.

Ele lembra que a famosa festa de Réveillon que se conhece hoje no Rio de Janeiro deve muito aos umbandistas.
Segundo Ivanir, muitas tradições da virada do ano, como, por exemplo, vestir-se de branco, pular sete ondas e depositar flores no mar, têm origem nas religiões de matriz africana, e que isso não pode ser “esquecido” pela prefeitura.

Vice-presidente do Movimento Umbanda do Amanhã (Muda), Marilena Mattos participa todos os anos do Barco de Iemanjá.
Ela diz que os umbandistas estão unidos para que o evento seja realizado normalmente no dia 16.
Para ela, o prefeito Marcelo Crivella não pode usar a sua religião para ofuscar todas as outras.

— Junto ao aspecto financeiro, há uma posição religiosa a favor de que não haja o evento.
Estamos sendo esmagados por esse poder religioso da atual administração pública.
Isso nos entristece. É um evento tradicional no Rio e, infelizmente, vivenciamos esse desrespeito à laicidade.
Essa última decisão foi mais um degrau nessa escada.

O babalorixá Anderson de Osagyan também faz uma homenagem à Iemanjá há mais de dez anos, na praia da Urca.

Ele acredita que há um ataque implícito da prefeitura contra as religiões de matriz africana.

LEIA TAMBÉM  Crivella, prefeito do Rio, é alvo de críticas por decreto polêmico

Anderson destaca a importância do evento dentro do cenário turístico do Rio, atraindo pessoas que gostam e simpatizam com a festa.

— Estamos perdendo o direito de nos manifestar.
É notório que o prefeito pegou uma questão particular e deixou que isso influenciasse a administração da cidade.
Não se pode negar que a Igreja Universal odeia as manifestações afro-religiosas.
Precisamos ir às ruas, não podemos nos calar e temos que defender nossos direitos — destaca.

Que ajudar o Barco de Iemanjá a continuar?

Faça sua colaboração na vaquinha virtual AQUI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here