Quaresma e Umbanda: há uma relação deste ritual com a nossa religião?

Quaresma e Umbanda. Começando: a Quaresma faz parte da liturgia católica.

A importância que se dá à Quaresma e Umbanda em certo Templo está relacionada com a origem mais ou menos católica do dirigente.

Os Guias acabam respeitando o quanto tal dirigente é “católico umbandista” ou “umbandista católico”.
E então tomam providências ritualísticas de acordo com o que faz este dirigente se sentir seguro ou confortável diante de suas crenças, paradigmas e limitações doutrinárias.

Se sua Casa/Templo já tem as firmezas de Direita e Esquerda bem estabelecidas ou assentadas, não vejo necessidade para mais nada a não ser que um Guia determine.

E se o médium já tem suas proteções e anjo da guarda firmados não há necessidade de mais nada.
A não ser que ele sinta que precisa.

Agora, quando o dirigente não consulta seus Guias e por algum motivo possui temor da Quaresma, dá para crer como normal para ele fazer muitos rituais ou se fechar.

Se o médium não se abriu à percepção de sentir quando precisa ou não de uma proteção à mais, então é comum estar sempre tentando se proteger mais e mais.
E isso independente da necessidade real.

Neste caso, Quaresma e Umbanda podem andar juntas.

Em muitos anos e muitas vezes já expliquei e escrevi o que é Quaresma para o católico.
Hoje não vejo mais necessidade de explicar os fundamentos de outra religião.

LEIA TAMBÉM  Desenvolvimento mediúnico sob uma ótica ampla

Alguns Terreiros de Umbanda tradicionalmente fazem um ritual de “fechamento de corpo”.
E isso independe da crença ou da Quaresma.
Participar de um ritual é algo sempre bom, interessante e estimulante do ponto de vista espiritual ou religioso.

Então, todo ritual deve ser respeitado, independente da motivação ou explicação de seu “fundamento”.
Rituais vão além do que compreendemos e nem sempre é possível saber porque estamos ali.
Apenas constatamos se trouxe um benefício ou não.

Sobre o Carnaval espero mesmo que todos cantem, dancem, extravasem, viajem, passeiem, namorem, beijem bastante ou se recolham num retiro.
Faça o que quiser só não seja o chato que quer recriminar os outros com discursinho moralista.

E pense sempre que no fundo de um discurso moralista sempre tem alguém que gostaria de fazer o que o outro faz, mas não tem coragem, então se veste de “estraga prazeres” para tentar convencer a si mesmo que sua escolha de “não ter prazeres” é a melhor escolha, mesmo que viva de amargura e reclamações, se “conforta” com a infeliz esperança de ser feliz na Aruanda.

O ponto nunca é o comportamento ou a atitude: é sim a motivação correta (feliz) ou incorreta (infeliz).

Apenas não se esqueça que Aruanda é lugar de gente que já é feliz e bem resolvida com suas escolhas.

Faça o que quiser, consulte apenas seu coração e sua consciência, busque sua verdade.
Faça o que quiser, só não seja “o chato”.
Viva e deixe viver!

LEIA TAMBÉM  Hierarquias na Umbanda, Poder e Mistério

“Deus deu a vida para cada um cuidar da sua”, diz o ditado popular.

Quaresma e Umbanda tem ou não tem relação. Depende de cada um, de cada Casa.

Então NÃO JULGUE, não aponte, não critique, que é o melhor que você pode fazer por si mesmo e pelo outro!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here