Como entender os Orixás em nossas vidas?

Como entender os Orixás? Como eles podem agir em nossas vidas?

Essa história abaixo eu aprendi e sempre repasso para que todos possam entender de maneira simples.

Deus (Olorum) queria um bolo! Então, pediu a OXALÁ que preparasse um.
OXALÁ, como TUDO QUE CRIA, disse que assim o faria, mas não tinha noção de como seria realizado esse tal pedido…
Então encontrou OXUM e pediu-lhe:

OXUM, você que é DONA DO AMOR E SABE LIDAR COM OS SENTIMENTOS; convença com sua doçura os Orixás a ajudarem a criar um bolo para Deus.

Oxum disse que assim faria.
E com seu AMOR foi aos poucos convencendo os Orixás a ajudarem a fazer o bolo.

Mas faltava CONHECIMENTO de como iriam começar a realizar tal tarefa.
Então, pediram a OXÓSSI que desse a receita para que o bolo fosse feito.

OXÓSSI, em sua infinita SABEDORIA, se comprometeu a informar quais seriam os ingredientes a serem usados para o bolo.
E assim foi informando um a um. Mas disse:

– Eu sei a receita, mas tenho uma dúvida: qual ingrediente vem primeiro?
Qual a ORDEM? O que vai primeiro? A água? Os ovos? A farinha?
E agora?

Todos ficaram pensativos, mas ele concluiu:
“Quem pode ajudar é OGUM, que irá colocar tudo em seu devido lugar.
Ele é quem irá DIRECIONAR cada ingrediente”. E assim foi feito.

OGUM separou ingrediente por ingrediente e deixou lá, para que assim fizessem o bolo.
Mas então surgiu outro problema: como é que o bolo ganhará sustento?
Como ele terá EQUILÍBRIO?

Foi então que pediram para que XANGÔ equilibrasse e trouxesse sustento para o bolo.
Afinal, tudo tem a medida certa, e melhor não exagerar na dose.
Assim XANGÔ deu a ‘medida’ para que nada a mais fosse colocado no bolo que seria feito para DEUS…

LEIA TAMBÉM  Primeira Gira de Umbanda: nervosismo e descobertas

Mas quem iria misturar todos os ingredientes e TRANSFORMAR aquilo em bolo?
Quem iria fazer com que ovos, farinha e outras coisas TOMASSEM FORMA?
Alguém precisava fazer o bolo, bater a farinha junto com o ovo até virar massa, e assim por diante…

Foram falar com OBALUAYÊ, que na hora se colocou à disposição e começou a misturar cada elemento, até o bolo começar a tomar seu formato.
Ingrediente por ingrediente, calmamente, OBALUAYÊ foi aos poucos misturando um a um, fazendo com que tudo o que foi separado, na dose certa, começasse a ter o formato de um bolo.

– Mão na massa OBALUAYÊ! – disse OXALÁ.
– Ótimo! – exclamaram os Orixás. Mas o bolo ainda não estava pronto.
– Ainda falta alguma coisa, pensaram eles. Depois de tudo feito, é preciso dar vida ao bolo!

Precisamos de um ‘forno’ para que se comece a GERAR dos elementos crus um delicioso e saboroso bolo e então levaram o bolo a IEMANJÁ.
Pediram a Ela que colocassem o bolo em seu forno para que assim fosse dado VIDA a ele.
IEMANJÁ se encarregou de GERAR aqueles elementos, ainda crus, e que resultariam num bolo para DEUS.

É hora de assar o bolo e OMOLU, junto a IEMANJÁ, se encarregou para que o bolo não queimasse e ficasse pronto na hora certa.
Afinal, quando algo tem que ser gerado, tem um TEMPO DETERMINADO.

E NANÃ também colaborou para que todos aguardassem com parcimônia que o produto final fosse depurado ao forno e assim ficasse pronto no momento certo.
Paciência para o bolo crescer!

LEIA TAMBÉM  Rituais na Umbanda: fumo, bebidas e defumações

E o bolo ficou pronto! Mas será que o bolo ficou bom?
Quem daria um bolo a DEUS sem experimentá-lo antes?
Quem está à frente de tudo e se coloca como o primeiro ou a primeira a enfrentar qualquer situação que seja?

EXU e POMBAGIRA apresentaram-se e experimentaram o bolo e, junto aos outros ORIXÁS, levaram o bolo pronto para DEUS!

***

Como entender os Orixás? Com certeza essa história acima simplifica sua atuação em nossas vidas.
Mas também ajuda a mostrar a forma como tudo é criado, repleto de sabedoria, mas na medida certa.

Deus nos dá aquilo que precisamos e não aquilo que por vezes queremos.
Eu entendo que os Orixás são, além de forças, qualidades de Deus que atuam sempre em nossas vidas direta ou indiretamente.

Muitas vezes pedimos a Deus que nos dê saúde sempre em nossos dias.
Mas um dia contraímos uma gripe ou outra doença qualquer.
O que aconteceu? Pedimos uma coisa e vem outra?

Pois bem, mas se eu tenho uma doença é porque algo em mim não vai bem, correto?
Então eu me ajoelho, elevo meu pensamento a Deus e peço a ele que atue em minha vida e cuide de minha saúde.
Mas, como eu disse, se algo em minha vida não vai bem, eu preciso fazer uma auto-análise:

Será que esse problema de saúde é devido ao meu relacionamento não ir bem e estar me desgastando?
Será que minha saúde vai mal porque fanatizo meu lado religioso?
Será que sou rigoroso demais?
Será que acho que tenho sempre razão e não ouço a ninguém?
Vivo sempre na minha verdade e pronto?
Será que é porque não estou disposto a mudar?
Em cada aspecto de minha vida, posso ter atuação de um ou mais Orixás?

LEIA TAMBÉM  Afastar obsessores ou energias negativas: saiba como deve proceder

Sim!

Posso ter Oxalá trabalhando meu lado religioso.
Oxum atuando em meus aspectos amorosos, no convívio de familiares ou parceiros.
Ogum me direcionando e Xangô me trazendo tudo na medida certa.

Muitas vezes, precisamos da força de Obaluayê para evoluir e sair de uma realidade e seguir para outra, a partir de nossa mudança interior.
E precisamos de paciência e depuração, que Nanã nos ensina sempre.

E nada melhor que sermos envolvidos na força de nossa amada mãe Iemanjá e começarmos a gerar, a partir de nós, a mudança que queremos para nossas vidas!

Enfim, para mudar da doença para a saúde perfeita, depende somente de nós, de nossas atitudes e de como tratamos nossas vidas.

A atuação de nossos Orixás vai muito além do que podemos imaginar; o que conhecemos não chega nem a 1% do que Deus é capaz de realizar…

Mas, para ter ao menos uma base para o que falamos, é necessário estudar e procurar aprender cada vez mais.

Então, como entender os Orixás é simples, mas requer dedicação.

Afinal, para ser UMBANDISTA é necessário ter inteligência e não ser acomodado.

 

Colaborou Junior Pereira, médium do Templo Espírita Seara da Esperança – Eternos Aprendizes