Guiné – Dia 3 – Erveirança 5.0

Guiné é uma das ervas mais populares para uso religioso, sobretudo na Umbanda. A campanha Erveirança 5.0 é uma iniciativa do nosso colaborador Adriano Camargo Erveiro que, no dia 27 de maio de 2020, completará 50 anos de vida.

E, para comemorar, produzirá 50 conteúdos novos sobre 50 ervas diferentes até o dia do seu aniversário, que será daqui a 48 dias.

Erva 3 – Dia 3

Guiné – Petiveria alliacea L.

Essa poderosa planta brasileira é uma das mais conhecidas e usadas no universo ritualístico.

Nativa da região amazônica, é abundante no Brasil todo e foi levada para a África por escravos libertos que se adaptaram ao seu uso aqui nas Américas.

É uma das poucas ervas bem conhecidas que aparecem nas enciclopédias nativas acreanas.

Mágica por excelência e famosa pela capacidade de se adaptar a qualquer trabalho, é duradoura e forte, como seu poder de infestação nos nosso jardins e seu cheiro que lembra o odor do alho.

Este é o Guiné, ou a Guiné, se considerarmos seu nome botânico “Petivéria”.

Não há registro da origem do nome Guiné. Mas ela também é conhecida largamente por “Amansa-Senhor”, fama que adquiriu por a ser a arma que negros africanos escravizados utilizavam para envenenar lentamente seus senhores, já que ingerida com regularidade, ela provoca debilidade e confusão mental.

Nas mais diversas regiões do país é encontrada também com os nomes de Guiné-Pipi, Pipi, Piti, Pitiu, entre muitos outros.

No uso religioso, também tem seu merecido destaque.

Na Umbanda, muitas falanges se formaram usando seu nome como base, como Caboclo Guiné, Preto Velho Pai Guiné, etc. Além de aparecer em centenas de pontos cantados e linhos entoados no Catimbó.

Sabe aquela planta que você gostaria de ter com você num campo de batalha espiritual? Então, é essa erva incrível!

No “Sistema de Classificação do Erveiro”, o Guiné tem natureza QUENTE OU AGRESSIVA, pois é extremamente cortante em sua atuação “quente” e profundamente curadora de espíritos e locais energeticamente negativados pelas emoções humanas.

A energia da espada cortante de Pai Ogum e da flecha perfurante de Pai Oxóssi conferem à essa poderosíssima erva esse peso metálico capaz de anular as mais intrincadas magias negativas e colocar cada coisa em seu devido lugar.

Poderíamos com todo o respeito associá-la ao poder arcangélico de Miguel, com sua espada aplicadora da Lei Divina nos campos da Criação, ou de forma bem figurada (bíblica), à Ira de Deus voltada àqueles que desvirtuaram os Mistérios da Vida.

Com sua aura energética que vai do verde-intenso ao azul-escuro, temos um poderoso cortador de demandas e abridor de caminhos usado em banhos, defumações, pós de assopro, bate folhas e benzimentos. Devidamente ativada em processos de descarrego e limpeza pesada, é elemento temido pelas inteligências do baixo astral.

Esse é o Guiné! Somos gratos à Natureza e aos nossos antepassados por permitirem essa poderosíssima erva e esse incrível conhecimento em nossas vidas!

Eu sou Adriano Camargo Erveiro e estou falando de uma erva por dia!

Muita gratidão, muitos sorrisos e olhos que brilham!