Jesus e a Umbanda: qual é a relação?

Jesus e a Umbanda

Jesus e a Umbanda: existe uma relação?

Afinal, o Caboclo das Sete Encruzilhadas, através de seu médium Zélio de Moraes, ao fundar e anunciar a Umbanda no Brasil, nos dias 15 e 16 de Novembro de 1908, deixou claro que a Umbanda deveria estar “baseada no Evangelho de Jesus”.

Mas o que isso significa?

Jesus visto pelas outras religiões

Em algumas religiões e/ou filosofias Ele é enquadrado da seguinte forma:

No Cristianismo e em suas ramificações (com poucas exceções) é tido como Deus Encarnado, nascido pela concepção do Espírito Santo através do ventre da Virgem Maria.

Logo, é Deus que se fez homem para salvar a humanidade, completando a Trindade Santíssima (Pai, Filho e Espírito Santo).
Igualmente é tido como único meio de se chegar a salvação e de remir os “pecados” da humanidade.

Surpreendentemente, no Judaísmo muitos O enxergam como um transgressor das “Leis do Senhor”.
Enfim, um mistificador e Deus pagão.
Portanto, não reconhecem seu messianismo por acharem que não cumpriu todas as profecias.

Além disso, outras parcelas de judeus acreditam que Jesus foi um profeta que ajudou na restauração do Judaísmo.
Igualmente, existem ainda os Judeus Messiânicos que acreditam piamente que Ele foi o messias esperado e profetizado pelos profetas antigos.

Por outro lado, para o Islamismo, no geral, Ele foi um profeta importante de Alá e mensageiro de sua mensagem.
Assim, sendo refutada a ideia de ser divino ou o maior dos profetas.

Claro que existem vertentes islâmicas e com pensamentos diferentes em relação a Ele.

Assim, para os Xiitas, Jesus não é o messias tendo sido apenas mais um profeta de Alá na Terra.

No entanto, par os Sunitas, além de profeta, Ele é o messias que Deus enviou e voltará no Juízo Final.

Visto que, para a seita islâmica dos Ahmadis Ele não foi morto na cruz e Judas padeceu em seu lugar.

O Budismo acredita que Ele foi um iluminado.
Assim como Siddhartha Gautama, sendo comparado com o mesmo por várias passagens similares entre Jesus e o Buda Siddharta.

Algumas correntes do Budismo afirmam que passou boa parte de sua juventude com os monges budistas fundamentando seus ensinamentos do futuro.

De outra forma, no Hinduísmo, muitos hindus veem Jesus como uma encarnação de Vishnu.
A saber, Vishnu é a segunda divindade da Trindade hinduísta, em especial para o movimento Hare Krishna.

Assim, no Hinduísmo, Ele é visto como Deus encarnado e também como um Avatar, assim como no Budismo (um iluminado, um Buda).

Para os hindus também foi um iniciado na filosofia Védica.
Assim, várias características como o batismo nas águas do Jordão feito por João Batista e Jesus vieram daí.
Pois no Judaísmo este tipo de ritual não existia, sendo ele característico da religião hindu.
Até hoje vários peregrinos vão se banhar nas águas do Ganges para se purificar.

Por fim, outras características como rituais do fogo, o caráter trinitário do Cristianismo e o dogma da encarnação são indícios de que o Cristianismo foi influenciado pelo Hinduísmo.

Certamente para o Espiritismo (Kardecismo), foi o homem mais perfeito que habitou o planeta Terra, tido como modelo e exemplo maior a ser seguido.

Aliás, é chamado carinhosamente pelos espíritas como Irmão Maior e Amigo Maior.

Jesus seria aquele que trouxe a segunda revelação de Deus para a humanidade.
Visto que Moisés o que trouxe à primeira revelação e o Espiritismo a terceira revelação.

Jesus e o Candomblé

Para o Candomblé (ou pelo menos para a maioria dos candomblecistas) não está inserido nesta religião afro-brasileira.
Pois seus deuses são Orixás, Inkises e Voduns.

LEIA TAMBÉM  Pombagira

Então, boa parte dos candomblecistas O enxergam como um espírito iluminado que encarnou na Terra e trouxe mensagem de fé e amor.

De fato, o que houve foi o sincretismo religioso realizado entre os deuses africanos e os santos católicos.
Assim, Jesus foi sincretizado com Oxalá, mas para o Candomblé nada tem a ver um com o outro.

Outras visões

Existem ainda outros pensamentos em relação à figura e a pessoa de Jesus, tanto histórica quanto religiosamente falando.

Assim, encontramos teorias que afirmam que Ele de fato nunca existiu, sendo apenas uma lenda.
Ou que foi um zelote e revolucionário, envolvido em questões politicas da época, uma espécie de Che Guevara politico-religioso.

Por outro lado, há os que afirmam que Ele vem reencarnando há muito tempo, inclusive em outros planetas.
Assim, ao encarnar na Terra se apresentou em forma de grandes personalidades religiosas como Zoroastro, Moisés, Buda e dentre outros.

Existe também a teoria que Ele não morreu de fato na cruz; antes de lá, foi retirado com vida e tratado de suas feridas.

Com a saúde restabelecida e com a ajuda de alguns seguidores, se dirige até a Caxemira, onde prega seu evangelho, realiza curas, forma família e morre já com idade avançada.

Claro que existem ainda inúmeras teorias e conspirações sobre Sua figura.
Por fim, de uma forma ou de outra, revolucionou o mundo e o pensamento da humanidade.

Existem muitos aspectos da vida de Jesus não esclarecidas e para cada um destes aspectos teorias e suposições.
Então, sugiro que os interessados pesquisem e estudem.
Pois é um campo farto e intrigante, e que para os curiosos como eu, vale a pena ser explorado.

E Jesus e a Umbanda?

Como em outras religiões com vertentes diversas, não seria diferente com a Umbanda, que possui diversas vertentes e correntes de pensamentos.
Visto que as diferenças doutrinarias, teológicas e filosóficas se apresentam em várias questões.

Assim, para vertentes mais “cristãs” é de fato o filho de Deus, o salvador da humanidade.
Para vertentes com tendências espíritas, o pensamento é como a dos espíritas.
Posto que para as vertentes mais africanizadas o pensamento é parecido com os Cultos de Nação e assim por diante.

Mas devem existir pontos em comum, mesmo nas mais variadas ramificações ou vertentes da religião. E existem.

De uma forma ou de outra, Jesus se torna o Mestre espiritual da Umbanda e a imagem do Cristo sempre é vista no ponto mais alto do congá, mesmo em sincretismo com Oxalá.

Dessa forma, muitos umbandistas O tem como o Médium Supremo.
Jesus e a Umbanda estão sim muito conectados.

Ele está presente nas Giras de Umbanda constantemente e de maneira bem influenciadora, seja através das orações, Pai-Nosso, Ave Maria, Prece de Cáritas e pelos Pontos Cantados que carregam seu nome.

Jesus e a Umbanda, assim como a Umbanda e Nossa Senhora (Maria, Mãe de Jesus) sempre são lembrados nos Terreiros de Umbanda.
A saber, em especial pelas imagens e pelos Pontos Cantados.

Não se pode negar que o primeiro Terreiro de Umbanda do mundo (Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade) recebia e ainda recebe mais da origem cristã e espírita da Umbanda do que as outras origens.

Afinal, lembro aqui que acho válido por demais a força da origem cristã na religião de Umbanda.

Da mesma forma, não entendo o combate feito a esta origem por alguns.
Visto que, uma vez que o espírito fundador da religião (Caboclo das Sete Encruzilhadas) disse que a Umbanda deveria ter por base o Evangelho de Jesus e fazia alusão ao Cristianismo e aos ensinamentos do Cristo em suas mensagens.

LEIA TAMBÉM  Orixá Pombagira: o desejo de viver e o axé

Certamente muitas dúvidas surgem sobre Jesus e a Umbanda.
Mas para mim o crucial é se Jesus é Oxalá e se Oxalá é Jesus.

Boa parte dos umbandistas acreditam em se tratar da mesma coisa, ou seja, que Oxalá é o próprio Jesus, aquele, o histórico e religioso.
Desse modo, passam este ensinamento adiante sem nenhum constrangimento ou dúvida.

Por outro lado, boa parte dos umbandistas já acreditam que Jesus seria uma espécie de Avatar que encarnou sob a irradiação de Oxalá.
Ou seja, um ‘Oxalá Menor’.

Esta parte de umbandistas ensina para que não se confundam Oxalá com Jesus.
Visto que Oxalá é a divindade da Fé e da religiosidade.
E Jesus é um espírito de alta evolução irradiado por Oxalá, e que manifesta a fé e o amor quando encarnado em nosso planeta.

Portanto temos duas linhas principais de pensamento na religião no tocante a Jesus e Umbanda.

A primeira, que acredita ser Jesus o próprio Oxalá encarnado, ou seja, a divindade se fez homem e ao morrer fisicamente volta para seu Trono Divino.

E a outra, que acredita que Jesus é um espírito iluminado e de alta envergadura espiritual e moral regido por Oxalá.

E ainda: que após a sua morte física se torna um grande Mestre espiritual para a humanidade e para a própria Umbanda.

Assim, as duas linhas de pensamento são unânimes em acreditar na importância de Jesus para a humanidade e para a religião de Umbanda.

Certamente o colocam em lugar de destaque no culto umbandista.
Assim, creio que muito por conta da cultura brasileira e da religião católica, que já foi a religião oficial do Brasil.

Minha visão pessoal

É fato que não escrevi nem um terço do que alguns pensadores da religião pensam acerca de Jesus e a Umbanda.
Aliás, a verdade é que em cada Terreiro de Umbanda podemos ouvir teorias diferentes sobre o papel e lugar de Jesus na religião e em sua teologia.

Então, em que eu acredito?

Essa é outra história.
Pois pode suscitar até intrigas ou oposições da parte de alguns formadores de opinião no seio umbandista.

Mas, não quero me furtar acerca desse tema e deixarei aqui, registrado, o que penso sobre Jesus e a Umbanda.

Muito do que acredito foi me passado pelo querido Mestre Jarede (espírito e Guia da Luz).
Igualmente, por alguns outros Guias da Sagrada Lei de Umbanda que pude conversar sobre tal assunto.

Em primeiro lugar, acredito piamente na existência de Jesus e creio que os evangelhos tidos como canônicos (Mateus, Marcos, Lucas e João) não contém toda a verdade sobre a vida e obras do Cristo Jesus.

Assim, muitas dessas verdades estão escondidas por autoridades religiosas ou inseridas em evangelhos tidos como apócrifos, tanto os que temos conhecimento como aqueles que não foram ainda “encontrados”.

Acredito em uma fase iniciática de Jesus e para mim não é nenhum absurdo que o Mestre tenha aprendido em outras culturas, religiões e ordens durante sua juventude e parte da vida adulta.

Aliás, acredito que isso ocorreu antes de iniciar seu ministério religioso e espiritualista com aproximadamente 30 anos (é o que nos contam, não é mesmo?).

Sob o mesmo ponto de vista, sobre a sua morte, também acredito que não se deu na cruz.

LEIA TAMBÉM  A Última Abolição - Documentário traz novo olhar

Creio que de lá foi retirado com vida e para outro lugar encaminhado, onde pode ter dado continuidade à sua missão espiritual e divina, que era de pregar e vibrar a fé e o amor, além de ensinar conhecimentos ocultos aos que se interessassem.

Seja como for, sei que a maioria das minhas crenças desconstrói a crença popular aceita pela maioria.

Mas não posso recusar a razão e nem o que sinto quando escrevo e falo sobre tudo isso.

E quanto a ser ou não ser Oxalá?

Jesus é de fato um mestre ascensionado, um profeta, um avatar, um messias, um enviado e também o médium supremo.

Assim, creio ser Jesus um Oxalá encarnado, como muitos outros também o foram no decurso da humanidade.

Igualmente vejo Oxalá como uma emanação de Deus, o principio da Fé e sustentador da religiosidade.
Oxalá é uma Energia Divina e uma Divindade de Olorum (Deus).

É o Senhor da Luz, da Paz e da Consciência Crística.

Jesus manifesta tudo isso. Foi tudo isso. É tudo isso.

Se Oxalá é Jesus ou não, pouco importa, uma vez que um se funde no outro.

E se Oxalá é inalcançável tamanha grandeza e luz, Jesus se fez palpável através da encarnação.
Dessa forma, sofreu como muitos de nós, era “divino” e humano ao mesmo tempo.
Mas não era e nem é Deus.

Foi o Mestre dos mais pobres e também dos mais ricos, ensinou o aberto.
Mas também ensinou o profundo.

Jesus é colocado como Governante Crístico do Planeta Terra, reflete a sua luz o tempo todo através da vibração de Oxalá.

Porque Jesus é um Oxalá, é portador da Luz, veste o branco da Paz e se aproxima dos que a Ele recorrem em suas dores e aflições.

Assim, Suas manifestações mediúnicas e sobrenaturais, ou fenomenais, estão explícitas nos evangelhos, tanto nos tidos como canônicos como nos apócrifos.

Jesus ou Yeshua é o Verbo do Criador para o planeta Terra e para os habitantes materiais e espirituais.
Modelo de humano, grande espírito encarnado e de sabedoria milenar.

A Umbanda reconhece em Jesus seu grande Mestre.
O Caboclo das Sete Encruzilhadas pediu para que a nova religião tomasse por base o evangelho de Jesus.

Colocamos sua imagem no ponto mais alto de nossos altares e também lhe prestamos culto, como prestamos aos Orixás.

A Umbanda não é Catolicismo, mas é também Cristã.
Pois o Cristo também vive nos Templos e nos corações umbandistas.
Afinal, os Guias que baixam nos Terreiros atestam isso.

A Umbanda não aprova as práticas católicas do passado como a Inquisição, catequismo forçado aos índios e negros escravos, “guerras santas” e dentre outras coisas.

E não vê nessas práticas a essência cristã ou as máximas de Jesus.

Oxalá é a Fé Divina e Jesus seu grande manifestador.

Oxalá é a Luz Divina e Jesus o farol que irradia essa luz.

Oxalá não é Jesus, mas Jesus também é Oxalá.

Jesus é um Oxalá encarnado, Jesus é o Cristo – Oxalá.

Jesus é exemplo de devoção, humildade e obediência ao Criador de tudo e de todos.

Jesus está acima de qualquer religião, não pertence aos cristãos denominacionais.
Mas sim a todo cristão de coração, que acredita em seu evangelho.

Yeshua; Senhor e Mestre da Paz, da Fé da Caridade e da Harmonia Universal.

Jesus e a Umbanda são assim: paz e amor.


Conheça o e-book MANDINGAS DE PRETO VELHO, de David Veronezi

TEXTODavid Veronezi