Comportamento no Terreiro de Umbanda: médiuns

comportamento no terreiro

Comportamento no Terreiro de Umbanda: como devem agir os médiuns?

Assim, tem ‘médium’ que entra na corrente já se sacudindo todo.
Aliás, se der chance incorpora antes da entidade dirigente dos trabalhos, e não pode ouvir um Ponto que é da “sua” entidade, que já está dizendo que não consegue segurar e precisa dar passagem.

Mas o médium sério entende que sua entidade está no Terreiro e nem sempre precisa estar incorporada para trabalhar.

Portanto, havendo necessidade, pede licença para ajudar no que a Casa precisa.

Comportamento no Terreiro significa respeitar a hierarquia, a doutrina da Casa.

Igualmente lembro das palavras de um Caboclo:

“CANTAR, BATER PALMA, FIRMAR O COCO, TUDO ISSO É PARTE DO TRABALHO!”

Dessa forma, não adianta nada estar ali, cheio de capa, guias, com copo na mão, charuto na boca, mas quando chega a hora de cantar, não conhece um único Ponto, ou simplesmente não canta.

A saber, Ponto de Umbanda é oração. Não se esqueçam disso.

Outra coisa: médium bom é aquele que respeita sua Casa e sabe valorizar o chão onde pisa.

Ainda mais porque é no sentido literal, ou seja: se precisar limpar o chão, lavar parede, tirar o lixo, atender a assistência, fazer comida de Santo, ajudar nas entregas, o que for, está ali, aprendendo com humildade.

Médium que pensa que “trabalhar” na Umbanda é só estar incorporado, e ainda acha que está fazendo muito, esse não está nem no primeiro degrau dessa longa e vagarosa escada chamada evolução.

LEIA TAMBÉM  Contos de Terreiro: nem tudo queima!

Portanto, caros irmãos que iniciam agora sua caminhada ou até mesmo os mais antigos, aprendam isso: a corrente é a firmeza da Casa.

Comportamento no Terreiro: como proceder?

Se você perceber que precisa estar ali cantando e ajudando, não se encabule de conversar com sua entidade.

Afinal, se for mesmo necessário incorporar naquele momento, você saberá.

Pois eles nos ouvem, não existe essa coisa de “meu Guia tem que trabalhar”.

Mas quando decide faltar no Terreiro por conta de festa, viagem, etc., aí o Guia não precisa trabalhar?

NENHUMA ENTIDADE DE UMBANDA É DÉSPOTA, nem vai transformar seu aparelho em escravo.

Temos que tomar cuidado com nossa própria presunção em achar que se não incorporarmos não trabalhamos.

Os Guias são nossos amigos e, como tal, nos entendem através da conversa, da comunicação.

Comportamento no Terreiro é tudo e muito mais!

TEXTORobson Andreani