Assa-Peixe – Dia 35 – Erveirança 5.0

Assa-Peixe é a nossa 35ª erva desta série que estamos apresentando aqui, em parceria com os canais UMBANDA EU CURTO.

Dia 35 – Erva 35

Assa-Peixe – Vernonia polyanthes Less. [sin. atual Venonanthura phosphorica (Vell.)H.Rob.]

Um dia um índio Guarani me disse que essas folhas não queimavam se fossem colocadas sobre a brasa, e o peixe por cima assaria até o ponto certo… realmente nunca testei pra saber se é verdade ou não, mas que essa planta é conhecido de Norte a Sul, isso é verdade! E olha que muita gente tem outras histórias sobre a origem desse nome!

Muitos mitos existem e ninguém sabe definir porque são o que são, mas isso não importa quando os respeitamos mantendo seu lugar na história e procurando a essência mítica, o que ele quer dizer de prático, funcional e útil na nossa vida.

Também conhecida como Cambará ou Assapeixe-branco, as suas raízes são conhecidas na farmácia caseira, suas folhas entram na composição de xaropes e ainda é considerada uma PANC – Planta Alimentícia Não Convencional, onde suas folhas entram em receitas – empanadas e fritas.

Considerada uma planta daninha e invasora de pastagens e terrenos baldios, indesejada nas áreas de plantio, mas amada pelas abelhas que da sua florada produzem um excelente mel expectorante.

Em algumas regiões, há comparação com uma variedade dessa planta chamada também de Alumã, Boldo-baiano, Árvore-de-pinguço, Figatil, que é a Vernonia condensata.

Na região Sul, nas casas de Nação ou Batuque, é chamada de Orô (éwúró), onde é associada principalmente aos Pais Xangô e Ogum e entra em diversos ritos de iniciação e purificação. Da Bahia até o Rio, o Assa-Peixe é atribuído a Oxum nos diversos Candomblés, principalmente os “Jêje-Nagô”.

Seu pulsar energético, magnético e vibratório lhe garante um gradiente de cores que passa pelo verde azulado, indo até o lilás intenso. Foram captadas também nuances amarelo-alaranjado (quase vermelho).

Para nós, dentro do sistema de classificação do Erveiro, o Assa-Peixe é uma erva FRIA-ESPECÍFICA, pois tem um campo de ação muito bem definido – a cura. (Vale reler o texto sobre classificação). E nos preparos genéricos, uma equilibradora com vasto poder regenerador.

Esse caráter curador do Assa-Peixe nos convida a compreender as vibrações das Divindades associadas, Pai Ogum e Mãe Nanã.

Como já dissemos no texto do Capim-Cidreira, Pai Ogum não é só guerra e batalha, mas a Ordem Divina em si. E para encontrar a saúde é necessário ordem, organização. Tem função que o coloca também nas frequências renovadoras de Pai Oxumaré.

Pode ser usada em banhos ou defumações, assim como bate folhas nos ambientes onde estão os doentes.

Uma sugestão é fazer cama de esteira com folhas de Assa-Peixe para que os convalescentes fiquem por algum tempo, uns trinta minutos são suficientes. Pode-se cobrir com um lençol claro pois suas folhas um pouco mais rústicas podem não ser agradáveis no contato com a pele.

Indicado também para resgate e cura de espíritos doentes e sofredores atrelados a pessoas ou ambientes familiares.

Esse é o nosso Assa-Peixe, essa é a nossa Erveirança, e estamos aqui para isso! Conhecimento é única coisa que ninguém pode tirar de você!

Gratidão, muita cura para o nosso planeta, para toda a humanidade, para cada um de nós!

Assim seja e assim será!