Aroeira – Dia 34 – Erveirança 5.0

Aroeira na área! E já chegamos no 34º dia da nossa Erveirança!

E esta é uma erva quente, de limpeza profunda! Este sistema de Classificação de Ervas está explicado em um dos textos bônus! Neles você vai entender melhor como utilizar estas e outras ervas nos seus preparos. E logo, logo, tem mais bônus… A Erveirança não para!

Dia 34 – Erva 34

Aroeira comum– Schinus terebinthifolia Raddi

Aroeirinha – Schinus molle L.

“Nessas árvores tem folhas… Tem rosário de Nossa Senhora! Tem Aroeira de São Benedito… São Benedito me valha nessa hora!”

Impossível eu falar de Aroeira e não lembrar dessa reza que virou canto e encanta os trabalhos de Pretos Velhos, Caboclos, e as rodas de Jurema!

Aroeira encanta, e assusta os incautos, mais por falta de conhecimento e apego aos achismos do que por alguma qualidade negativa mesmo. A ela foi atribuída a fama de ser árvore de Exu, a qual deveria ter-se todo o cuidado para manusear. E que também é brava, provocando coceiras. Preste atenção no texto para não ler essa frase simplesmente e assumir como condição da planta.

Existem vários tipos de Aroeira, e muitos mitos em relação ao seu uso. Um tipo de Aroeira, chamado de “brava” desprende elementos capazes de desenvolver urticárias e afecções de pele pelo simples contato. Por uma questão de bom senso, essa qualidade de Aroeira não tem uso ritualístico.

Essa é a Lithraea brasiliensis March, aroeira-brava ou aroeira-preta. Vamos lembrar que toda erva pode provocar alergias em quem tem sensibilidade a algum dos seus componentes, assim como pelos de animais, peixes, etc. Então, vale a pena conhecer seu organismo e evitar aquilo que pode te provocar alguma reação.

Para nós, esses dois tipos de Aroeira citados são bastante comuns e usados na arborização urbana em praticamente todo o país. Podemos usar as folhas frescas ou as cascas, mais fáceis de encontrar no comércio de ervas desidratadas. Característica da Aroeira é seu fruto, a pimenta-rosa. Isso mesmo, a pimenta-rosa, adorada na culinária, é o fruto das Aroeiras!

Damos uso em banhos, defumações, benzimentos e bate-folhas para as chamadas Aroeira-comum, Aroeirinha, Aroeira-pimenteira, Aroeira-branca, Aroeira-mansa, Aroeira-salsa, nas variedades Schinus terebinthifolia e S. molle.

Aqui no terreiro usamos as folhas para forrar o chão nos dias de gira de Caboclos. Nunca faltam ramos de Aroeira em trabalho de cura de Caboclo. E os Vovôs e Vovós, nossos amados “pretinhos-velhos”, não dispensam em seus benzimentos.

Erva QUENTE OU AGRESSIVA por definição, energia nas vibrações de Pais Ogum e Xangô, caracterizada pela sua conexão elemental com os fatores ígneos, protetora por excelência, e em seus aspecto magnético específico, serve aos propósitos do Mistério Exu, aliás, de todos os mistérios à Esquerda, seja na fundamentação dos assentamentos como na limpeza periódica deles.

Não precisa exagerar na quantidade. Um punhadinho das folhas ou um pedacinho da casca num preparo de banho são mais que suficientes para uma limpeza profunda, purificação, neutralização de ações negativas e bem estar geral. Sua aura avermelhada, de pulsar discreto e contínuo, apinhada dessa energia de “fogo”, proporciona a eliminação de elementos nocivos à saúde.

Seus galhos podem ser colocados em vasos com água e mantidos por vários dias em casa ou no local de trabalho, ativados como purificadores do ambiente, esterilizadores do espaço espiritual, dissolvendo aquele ar pesado que muitas vezes fica no ambiente.

Eu tenho certeza que tem alguma Aroeira perto de você… Na rua, numa praça, enfim… Lembre-se de lavar as folhas antes do preparo, pois a fuligem da cidade é o que também pode provocar alguma reação a peles mais sensíveis.

Encontre uma Aroeira, deixe que ela te encontre num abraço! Encoste o corpo todo nela, respire junto, faça amizade! Se não tiver Aroeira, abrace alguma outra árvore, deixe que te chamem de louco ou louca, mas não passe a vida sem fazer isso! Louco é quem corta árvores e não quem as abraça!

Abraços de Aroeira, abraços de árvore a todos!