Grupo Corpo estreia em São Paulo o espetáculo ‘Gira’

0
994
Publicidade

O Grupo Corpo criou uma celebração sobre a vida, suas possibilidades e complexidades, todas reunidas em uma figura: Exu.

Gira, novo trabalho do Grupo Corpo que chegou a São Paulo no dia 4 de agosto, ao Teatro Alfa, homenageia o Orixá das passagens, responsável pela comunicação entre o plano espiritual e terreno.

O tema não foi escolhido pelo coreógrafo Rodrigo Pederneiras ou pelo diretor artístico da companhia mineira, Paulo Pederneiras, que nenhuma intimidade tinham com
religiões de matriz africana.

A ideia foi proposta pela banda Metá Metá, convidada por Paulo para criar a trilha.

“Logo que recebemos o convite, pensamos no Orixá Exu, pois é uma divindade ligada ao movimento, ao corpo. Sempre que possível, gostamos de exaltar as características
de Exu, que foram sendo demonizadas no Brasil”, diz Juçara Marçal, integrante do Metá Metá ao lado de Kiko Dinucci e Thiago França.

O trio segue o Candomblé e, em seus álbuns, une elementos da cultura afro-brasileira, da música africana, do jazz e do rock.

O coreógrafo começou a estudar, ler livros, mas não achou a teoria suficiente.

Foi então que ele e a companhia passaram a visitar Terreiros de Candomblé e Umbanda.

“Estou fascinado com a generosidade das pessoas, com a forma de acolherem qualquer um, seja da religião ou não”, revela Rodrigo.

Foi da Umbanda que Rodrigo mais se aproximou e, hoje, continua a frequentá-la.

“A vida está dando uma guinada maluca. Mudou meu jeito de ser”, diz.

Nos Terreiros, o coreógrafo encontrou o que chama de “mundo infindável”.

Observou movimentos de pessoas e entidades. Absorveu as referências para, em menos de três meses, transformá-las em uma coreografia intensa e diversa.

E isso sem cair no lugar-comum.

“Não tem nada a ver com o que já fizemos. Não achei que eu deveria fazer referência muito mais forte ao Terreiro, como funciona, como é. Gira, na verdade, é uma festa
para Exu, uma homenagem. Porque Exu é o Orixá mais próximo dos homens e da Terra. Exu é vida, movimento, é a própria dança”, explica Rodrigo.

Respeito.

Diferentemente da coreografia, que tem a Umbanda como guia, o Metá Metá partiu da cultura Iorubá, difundida no Brasil principalmente pelo Candomblé, para compor a
trilha.

Elza Soares gravou duas faixas e o poeta e artista plástico Nuno Ramos fez a letra de uma delas.

Freusa Zechmeister assina o figurino, igual para todos os bailarinos: saia branca bem rodada, deixando o torso nu.

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Não haverá coxias no palco e os bailarinos estarão o tempo todo em cena. Quando não dançam, permanecem sentados em cadeiras dispostas no fundo e nas laterais, cobertos
por um véu negro.

“Tem um quadrado iluminado, onde as pessoas dançam, onde ocorre a Gira. Em volta, é tudo preto. É uma instalação, mais do que um cenário. Em cima de cada cadeira, tem uma lâmpada, que é menos para iluminar e mais para mostrar que ali tem a presença de uma entidade”, explica Paulo.

O Grupo Corpo dança no Rio (entre os dias 23 e 27 de agosto), em Belo Horizonte (2 a 6 de setembro) e em Porto Alegre (7 e 8 de outubro).

 

ESPETÁCULO
Gira

DATA
De 4 a 13/08 (Extras: 15 e 16/08)

HORÁRIOS
Quartas e Quintas – 21h
Sextas – 21h30
Sábados – 20h
Domingos – 18h

INGRESSOS
De R$ 50 a R$ 160,00

LOCAL
Teatro Alfa
Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722

INFORMAÇÕES
(11) 5693-4000

 

 

FONTEEstadão
COMPARTILHAR
Artigo anteriorCiganos na Umbanda: Orações
Próximo artigo5º Encontro de Iemanjá em Belo Horizonte em 12/08
O Umbanda Eu Curto foi fundado em 2011 e trará sempre discussões e ensinamentos importantes sobre a Umbanda. De forma leve, trataremos nossa religião sempre com muito respeito e responsabilidade, tornando claros os conceitos em mais de 100 anos de história.