Rituais na Umbanda: fumo, bebidas e defumações

0
1757
Publicidade

Rituais na Umbanda é algo que todos esperam ao participar de uma Gira.

A natureza do ser humano é o Bem.

Fomos gerados numa matriz positiva, no entanto polarizada para que possamos entender o equilíbrio das coisas.

A relação entre Bem e Mal sempre foi discutida pelas religiões.

Como sempre fala nosso irmãozinho Alê Cumino: “Se é religião é para o Bem!”

A função das religiões na vida das pessoas é leva-las ao Bem, tirando-as do eventual caminho negativo.

E de que forma? Usando os recursos que sua doutrina, liturgia e filosofia implicam.

Na Umbanda não é diferente.

É uma religião transformadora para o Bem.

Religião da natureza, não apenas da natureza de elementos à sua volta, cristal, mineral, vegetal, fogo, ar, terra e água, mas também da natureza humana, através do arquétipo transmitido pela força do Guia incorporado.

A maturidade, certeza, a seriedade do Caboclo; a sabedoria, tranquilidade e simplicidade do Preto Velho; a alegria, pureza, a inocência das Crianças; a força, determinação, elegância de Exu e Pombagira, e de todas as formas manifestadas de Deus Olorum Nosso Pai Criador, através da Umbanda.

Sempre surgem dúvidas a respeito dos critérios adotados pelos Terreiros para a condução dos seus trabalhos, para a formação dos médiuns, cambones e curimba e a própria orientação visual que as pessoas que frequentam a casa tem a partir das giras abertas.

Temos alguns pontos na prática da religião que são até contraditórios se observados de perto.

Por exemplo: como poderíamos justificar o uso do cigarro nesses tempos que o tabagismo é combatido no mundo todo?

Como justificar o uso das bebidas diante da lei seca para o trânsito?
Como justificar alguns dogmas se todos os dias travamos uma verdadeira batalha contra o “bulling”, o preconceito e o racismo?

Muito bem.

A Umbanda, sendo a religião que é, trazendo a força da natureza, como disse há pouco nesse texto, vem se fundamentando e se servindo dos recursos disponíveis de acordo com a época, cultura e oportunidade.

O uso do fumo pode muito bem ser controlado, limitado e direcionado aos atendimentos da forma mais natural possível, com o uso de charutos, cigarros de palha e fumo para cachimbo adicionados de ervas aromáticas que remetam a memória olfativa à prática religiosa.

A “Sálvia officinalis” é um excelente recurso que, bem seca e triturada pode ser adicionado aos fumos.

Essa tradição de origem xamânica norte-americana é muito bem adaptada aos costumes de rituais na Umbanda.
Aliado a isso, muito bom senso e responsabilidade.

Devemos nos preocupar sim com a assistência do Terreiro em relação ao uso do fumo, pois há pessoas que tem sensibilidade à fumaça provocada pelo seu uso.

Aí alguém vai perguntar: mas e a defumação?
Não seria também fumaça que todos respiram?
Respondemos e apontamos então que a defumação passa.
Ela é usada na abertura dos trabalhos e é agradável à grande maioria das pessoas.
Respirar uma defumação bem elaborada é muito benéfico para o espírito e o bem estar provocado é superior a qualquer estado de sensibilidade.

Devemos controlar o uso das bebidas alcoólicas usando, sem dúvida nenhuma, a regra do bom senso.
Se essa bebida tem um fundamento religioso, ela não serve para o uso profano, disponível para o médium se embebedar com litros de cachaça ou latas de cerveja, garrafas de vinho e de champanhe.

Se o médium se embebedar, porque mesmo com a regra de que “o Guia leva tudo”, devemos sim questionar a necessidade de beber tanto numa Gira.

O fundamento precisa ser confirmado pelo uso de um pouquinho do elemento.

Para rituais na Umbanda, vale o seguinte:

Não é a quantidade que fará o trabalho ser mais eficiente: é a habilidade do manipulador (Guia x médium) em ativar o recurso bebida que trará resultados!

E aí, gostou do esclarecimento? Concorda? Deixe sua opinião abaixo.