Publicidade

Exu é o Orixá mensageiro, das encruzilhadas e guardião dos Templos, casas e das pessoas.

A origem desse Orixá enquanto divindade está em Deus (Olorum), assim como ocorre com todas as demais. Segundo Rubens Saraceni, em sua obra Orixá Exu:

“O mistério Exu é em si o ‘vazio absoluto’ existente no exterior de Deus e guarda-o em si, dando-lhe a existência e sustentação para que, a partir desse estado, tudo o que é criado tenha seu lugar na Criação. Por ser Exu o guardião do vazio absoluto e este ter sido o primeiro estado da Criação manifestado por Deus, então Exu é, de fato, o primeiro Orixá manifestado por Ele.”

Logo, Exu é o primeiro Orixá a ser cultuado. Por ser e trazer em si o vazio absoluto tem de ser invocado e oferendado em primeiro lugar e assim deve ser firmado no exterior do Templo para que um culto possa ser realizado, pois, se assim não for feito, a presença de Exu dentro dele implica a ausência de todos os outros Orixás, já que seu estado é o do “vazio absoluto”.

Em outro entendimento, isso explica porque esse Orixá “limpa” o Terreiro para uma sessão de Umbanda.

Isso não significa que, caso o Terreiro não tenha uma área externa o culto (ou Gira) não possa ser realizado. Neste caso, entende-se a palavra ‘exterior’ não necessariamente como sinônimo de ‘fora’ e sim como um espaço apartado da área principal.

Em geral, encontram-se firmezas e tronqueiras de Exu em cantos bem delimitados no Terreiro, seja num quarto isolado na entrada, seja no fundo do imóvel, cumprindo assim simbolicamente como o fundamento religioso.

Opostos complementares

Enquanto Exu é o vazio absoluto, Oxalá é Olorum exteriorizado. Eles são opostos complementares porque sem a existência do vazio absoluto o espaço não poderia se expandir ao infinito. Onde um está presente, o outro está ausente, mas ambos coexistem e se complementam; há uma interdependência construtiva, base para toda a Criação.

O tridente de Exu

Geralmente este Orixá é representado usando as cores preto e vermelho e portando um tridente. O tridente faz relação dos quatro elementos magísticos: água, fogo e ar em cada uma das pontas do tridente e terra na sua haste. Isso simboliza a forte relação do Orixá com o mundo material junto com sua habilidade de transitar por todos os planos. É por isso também que o relacionamos com as encruzilhadas, que não são necessariamente o cruzamento de ruas terrenas em nossas cidades, e sim pontos ou momentos em nossas vidas em que temos que tomar decisões, decidir por este ou aquele caminho. Exu auxilia, transita e auxilia os seres nestas tomadas de decisões.

Relações

Irradiação: Absorve, Neutraliza e Vitaliza os seres
Campo de atuação: Sete Sentidos da Vida (ou Sete Linhas de Umbanda)
Elementos: Encruzilhadas
Cores: Preto ou Preto e Vermelho (bicolor)
Dia da semana: Segunda-feira
Sincretismo: Santo Antônio (na Bahia)
Saudações: Laroyê! Modjubá!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCasar na Umbanda com efeito civil é possível?
Próximo artigoIansã
O Umbanda Eu Curto foi fundado em 2011 e trará sempre discussões e ensinamentos importantes sobre a Umbanda. De forma leve, trataremos nossa religião sempre com muito respeito e responsabilidade, tornando claros os conceitos em mais de 100 anos de história.