Publicidade

Olorum é o Divino Criador, Deus, o princípio de tudo.

A palavra Olorum é de origem Yorubá.

É uma contração de Olodumaré (senhor supremo do destino), Olo, que significa senhor e Orum o além, o alto, o céu.

Olorum é o senhor do Céu, infinito em Si mesmo, onisciente, onipotente, onipresente, oniquerente e indivisível.

Ele é em Si toda a criação e rege tudo no universo.

Deus é UM, sempre foi e sempre será, mas muitos são os nomes pelos quais Ele é conhecido.

Os nomes usados para diferentes povos e religiões referem-se simplesmente aos diversos caminhos por meio dos quais Deus manifesta a Si mesmo na Criação, para cada povo com sua cultura específica.

Deus não tem um início; é princípio, meio e fim; é o Criador, o Gerador de tudo o que existe e está tanto na Sua criação como nas criaturas e nos seres que gera.

Deus é vida, é o mistério que anima e fornece os meios ideais para que nos multipliquemos em nossos filhos, que também trazem em si a capacidade de se reproduzir, pois são gerados em um meio vivo.

Olorum, Senhor Supremo do Destino, é infinito em tudo e também o é nas Suas divindades, os Sagrados Orixás.

Ele as gerou em Si e elas complementam-se umas às outras na sustentação da Criação divina e na manutenção dos princípios que regem, manifestando-se através dos sentidos da Fé, do Amor, do Conhecimento, da Justiça, da Lei, da Evolução e da Geração.

Os Orixás são mistérios individualizados do Divino Criador. São Divindades, Tronos Sagrados distribuídos por toda a Sua Criação. São manifestações das qualidades divinas.

Olorum é o Todo e Suas divindades são as partes formadas por esse Todo.

Cada divindade atua num campo só seu e em momento algum elas se chocam. Adorar as divindades significa adorar as qualidades de Deus.

A magnitude, a grandeza infinita de Olorum, nos agracia e contempla com Suas divindades, pela quais podemos perceber o quanto o Divino Criador é infinito em Si mesmo.

Portanto, a Umbanda não é politeísta e os Orixás não são deuses!

Eles são divindades de Deus, são irradiações divinas que amparam os seres para que evoluam, desenvolvendo seus dons naturais, para alcançarem seus fins em Deus.

Olorum nos gerou em Seu íntimo e nos exteriorizou como Seus filhos humanos, dotados com Sua programação genética humana, para que através da nossa vivência, encontremos nossa forma pessoal de evolução e ascensão, pois só assim nos tornaremos em nós mesmos as Divindades humanas de Deus, o nosso Divino Criador.

Fonte: Manual Doutrinário, Ritualístico e Comportamental Umbandista, de Rubens Saraceni, Editora Madras.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorProcedimentos na Umbanda
Próximo artigoPreto Velho
O Umbanda Eu Curto foi fundado em 2011 e trará sempre discussões e ensinamentos importantes sobre a Umbanda. De forma leve, trataremos nossa religião sempre com muito respeito e responsabilidade, tornando claros os conceitos em mais de 100 anos de história.